Intestino preso na gestação? Dicas para prevenir a constipação

Reconstrução mamária: mastologista e cirurgião-plástico explicam como é realizada
28 de outubro de 2020
Grávida vegetariana ou vegana: quais são os nutrientes essenciais para a gestação?
14 de dezembro de 2020

A constipação intestinal faz parte das doenças funcionais que acometem o intestino e representa uma das queixas mais comuns entre as mulheres no consultório. Aqui, a nutricionista Betina Ettrich, do Nasce (Porto Alegre), traz as informações principais sobre o assunto.

Causas da constipação

Diversos fatores contribuem para o INTESTINO PRESO, entre eles: dieta inadequada, inatividade física/sedentarismo, disfunções endócrinas e metabólicas, danos aos músculos pélvicos e suas inervações, uso de medicamentos, estilo de vida.

Ainda, é bastante prevalente durante a gestação e isso ocorre devido a alterações hormonais normais no período gestacional: o hormônio progesterona está aumentado e é o principal responsável pelo relaxamento da musculatura do intestino, deixando o trânsito intestinal mais lento. Assim, esse prolongamento do tempo de trânsito, além de aumentar a absorção dos nutrientes, aumenta também a quantidade de água reabsorvida, o que leva ao ressecamento das fezes e a situações de constipação intestinal.

Prevenção e tratamento da constipação

O tratamento e a prevenção da constipação intestinal devem ser individualizados, pois não há uma prescrição padronizada para todos os casos, na medida em que se deve considerar os hábitos e estilo de vida de cada mulher.

Porém, sabe-se que a boa alimentação é fundamental para regular o intestino e um programa alimentar personalizado ameniza os sintomas. Além disso, o nível de atividade física e a ingestão de água também são importantes quando falamos nesse assunto.

Assim, as principais recomendações para as mulheres com constipação intestinal:

  • Consumir diariamente alimentos ricos em fibras como vegetais crus, legumes, frutas, leguminosas, farelos de cereais, sementes, grãos integrais.
  • Os alimentos com maior teor laxativo são: ameixa preta, laranja com bagaço, mamão, folhas verdes (alface, couve, espinafre), farelos de aveia e de trigo, sementes de chia, de gergelim e de linhaça, feijões e lentilha.
  • Evitar alimentos ultraprocessados e diminuir o consumo de carboidratos refinados (principalmente farinhas brancas e produtos feitos com elas, como pães, massas, biscoitos, etc.).
  • Fazer as refeições com calma e mastigar bem os alimentos.
  • Ingerir líquidos ao longo de todo o dia, priorizando água pura. Recomenda-se a ingestão de 30 a 35 ml por kg de peso corporal por dia.
  • O uso de probióticos (na forma de suplemento ou alimento) tem efeitos benéficos na função intestinal e pode ser indicado, de acordo com a necessidade.
  • A suplementação de fibras também pode ser indicada, de acordo com a necessidade.
  • Praticar exercícios físicos, caso não haja contraindicação.
  • Obedecer ao reflexo evacuatório sempre que possível.
  • O uso de laxantes é bastante discutido e deve-se utilizá-los somente sob prescrição médica e por pouco tempo, já que alteram as bactérias do trato digestivo, podem diminuir a absorção de alguns nutrientes e podem causar lesões no intestino.

Treinamento para aliviar a constipação

É possível começar um treino para minimizar o desconforto diário. Quem traz dicas para aliviar o incômodo é a fisioterapeuta pélvica Keila da Silva, do Nasce. A fisioterapia atua na reeducação evacuatória, através de treino adequado dos músculos do assoalho pélvico associado às orientações médicas para o tratamento.

Leia também:
@@ Câncer de mama e preservação da fertilidade
@@ Imunidade: como anda a sua?
@@ Útero: características e curiosidades deste órgão feminino

Nasce Saúde
Nasce Saúde
Somos um NÚCLEO DE PLANEJAMENTO DE SAÚDE formado por uma conexão entre profissionais da saúde referências em suas áreas de atuação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *